Skip to main content

Sou a Favor da Diminuição da Maioridade Penal!


Todos os dias nos deparamos com uma rotatividade considerável de mudanças, tendo como o centro maior das atenções a violência. O ponto mais alto desta questão deveria ser o valor de uma vida na mão de um menor infrator que, com uma índole assassina a torna insignificante e meramente estatística.

Não há razões para ignorar os fatos e acontecimentos de violência juvenil. Isto é algo que vem se repetindo cada vez mais em nosso país, tragédias que abalam famílias e deixam milhões de brasileiros arrasados. Talvez por tudo isso eu seja a favor da redução da maioridade penal.

De acordo ao site da Revista Veja, a maioridade penal fixada em 18 anos define-se pelo artigo 228 da Constituição. “É a idade em que, diante da lei, um jovem passa a responder inteiramente por seus atos, como cidadão adulto. É a idade-limite para que alguém responda na Justiça de acordo com o Código Penal. Um menor é julgado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).”

Acredito que não só o Brasil, como em outros países, os benefícios da diminuição da maioridade penal são suficientes para a melhoria disciplinar dos jovens cidadãos com relação as suas atitudes. E do contrário do que os representantes contra isso argumentam este ato não estaria excluindo parte da população e, sim se precavendo de futuros atos impulsivos de violência juvenil.

A melhora da educação deveria existir independentemente da porcentagem de violência do país. Na Inglaterra e nos Estados Unidos a índole do criminoso é levada em consideração, tenha a idade que tiver e os resultados estão cedendo com o avançar dos anos.

Não há prazo definido ainda para que a Câmara de Deputados voltem a analisar a aprovação da lei sobre a redução da maioridade penal. E enquanto isso, os jovens têm o direito de votar, de transar, de beber e porque não incluir matar.

 *Criticar Só Para Ajudar

Comments

Popular posts from this blog

Não sinto dó(r)

Será que se gritarmos bem alto alguém ouvirá?

Será que quando gritamos bem alto, nossa voz ecoa pelo mundo como um pedido de socorro?

Às vezes tento não me desesperar pelas circunstâncias em que me encontro, ou mesmo escolhi me deparar (talvez inconscientemente)...eu não sinto dó de mim.

Eu tento fazer a pose e parecer confiante sobre os dias cinzentos e chuvosos que a escola da vida me faz vivenciar. Mas parece que só de raiva eu sorrio e rio de mim mesmo...sem pena, sem dor.

Seria possível que as palavras me levem a um lugar melhor? É importante sonhar...é importante se reestabelecer.

Vi hoje na TV, nesses programas de transformação, um cara que dizia-se estar "confortável nas sombras de si mesmo"e o quanto foi libertador abrir-se novamente ao mundo. Às vezes parece que quando temos um problema, só aquilo existe e todo o resto não faz sentido algum. Olha eu sendo totalmente contraditório. Não estava eu rindo de mim? Acho que deve ser de nervoso então.

As nossas escolhas no…

Baby Steps

Já faz um tempo que eu parei de escrever e eu nem sei o por que!?
Talvez o meu cérebro processe a informação de uma maneira diferente, mas o que eu realmente acho é que a cada dia, a cada segundo que passou desde a ultima vez que me dei a oportunidade de redigir algumas palavras, eu desisti de mim.
Não é fácil enfrentar um fato que desconstrói tudo que eu quis construir, mas fingir que algo não acontece deve ser bem pior não? Não sei, mas também não me importo. Afinal, começo a redigir algumas palavras novamente e elas me fazem sorrir =D
Eu acredito que há tempo pra tudo, e talvez haja tempo pra eu voltar pra mim mesmo. 
Sabe aquilo que dizem? Sobre iniciar algo? "Vá lá, faça! Não precisa ser bom, apenas precisa ser seu." 
Estas palavras são minhas, e mesmo não tendo significa algum, pra você, elas me fazem bem.
Talvez pra ti seja um texto de merda, mas pra mim é um passo de volta para eu mesmo!
"Baby steps", não é mesmo?

Estamos Aí

Às vezes na vida, mesmo que por 1 minuto ou ao menos 1 dia inteiro nós nos frustramos por estarmos onde estamos. É como se quiséssemos uma evolução maior ou até mais rápida. 
Nos frusta tudo. Começa uma sessão de por quês que não conseguimos explicar. Talvez seja um chamado de mudança, talvez o momento de colocar uma vírgula. Mas não é fácil nos aceitarmos 100%.
É como se aceitando isso estaríamos Ok com os erros cometidos, as decepções encontradas pelo caminho, as traições tão óbvias que nos pegaram desprevenidos. 
Deve ser tão pessoal que ao colocar pra fora faz com que isto se torne mais verdade ainda. 
Podia ser apenas um pesadelo né...é...podia...
Eu entendo...mas não quer dizer que aceite. Quer dizer que...se precisar, estamos aí !