Skip to main content

A Maioria das Coisas


A maioria das coisas se inicia com o “Feliz para Sempre” e quase que ocasionalmente termina com o “Era uma vez”. Isso tomando como referência a minha própria vida, que talvez não seja inspiração pra ninguém but who cares?

Tudo aqui funciona ao contrário, eu digo aqui na minha cabeça que não é nem grande o bastante para a intensidade de pensamentos que projeta. Nunca nem consegui fazer sexo sem pensar, e cá entre nós, pensamentos que não condizem nada com o momento.

Não sei em que parte da minha vida eu deixei a cachola virar esta bagunça, e nem sei se consigo deixá-la organizada. Já há algum tempo eu não vivo sem ser o alvo dos flashes malignos que me enviam. E quer saber? Aprendi a amar isso.

Um dia uma pessoa muito da idiota me disse que as pessoas só odeiam aquilo que verdadeiramente amam, odeiam o fato de amarem aquilo que gostariam de ser. Entenda, ela não era sábia, só acertava uma a cada 10 anos, tive sorte.

Gosto de falar pro nada, falar para desconhecidos, talvez alguém aí entenda o que eu ainda não entendi. Posso compartilhar algo com vocês? Tô feliz pra caralho, feliz sem motivo aparente. Eu acordei, sei lá... mandei o mundo ir se fuder. Isso não é bom?

A minha maneira de escrever muda a cada capítulo que se inicia, eu vou parando de me preocupar se a frase está com a formação adequada ou se os verbos estão na conjugação certa. A vida é arte, e eu só quero transcrever aqui que minha arte sofre metamorfoses, que é viva, que é linda e que é uma droga.

Talvez eu devesse pedir para um médico me descrever algo que me colocasse de volta a sociedade imbecil que me rodeia. To com vontade de me jogar pro alto, testar a lei da gravidade, rir da desgraça alheia. To com vontade de parar de me amar, vontade de não ser uma pessoa tão legal.

A maioria das coisas na minha vida se inicia com um “sorriso” e quase que ocasionalmente termina com um “Vai tomar no cú”. Inspirado? Não, feliz.

Popular posts from this blog

A Carta

Não consigo saber ainda como eu consegui passar quatro dias sem falar com você. Não dá pra saber ao certo como eu consegui aturar tanto tempo a sua ausência estando tão perto.
Dizem que não dá para entender os homens, que não dá pra entender as mulheres. Aliás, todo mundo fala tanta coisa que eu simplesmente resolvi ficar em silêncio, mudo e calado. Tento apenas ouvir a mim mesmo, quero saber o que eu realmente não entendia, o que eu realmente ainda não entendo.
Em alguns momentos da nossa vida precisamos dar um passo atrás para avançarmos dois. Meu coração quer você, mas minha razão é do contra. Acho que de vez em quando a mente se cansa de tantas desculpas.
Você não é imprevisível, dá pra adivinhar qual será seu próximo passo. Já que tudo começou por uma mensagem, acho interessante finalizar com uma carta, a sua dessa vez.
Não gosto muito de escrever, não tenho aspiração pra isso. Gosto de ler, assistir filmes, viajar para o meu mundo tão desconhecido e inexplorado pelo ser humano. Me p…

Homem Pedra

Então você me abraçou e pediu para parar o tempo. Então você se entregou e não pediu muito. Você agradeceu e não formulou desejos. Você sorriu e disse "eu te amo".
Saberia até colocar ordem nas palavras que automaticamente formam as frases se o meu coração desacelerasse diante dos ocorridos. Eu poderia ser lei em português e formar pra ti as nossas exceções. Mas deixa o tempo parado e me abraça e fica e sorri e me toca. 
Quero te sentir mais tempo, quero te sentir inteiro, quero revogar os medos e quero ignorar as circunstâncias. Desejo o vosso abraço por toda a eternidade, por nossos 5 minutos.
Eu me excitei, e não falando em termos sexuais. Eu me exaltei, me animei, me estimulei, eu me excitei. Será que entende? Será que me faço entender?
Deixa eu gostar de você. Permita-me ensinar você a gostar de mim. Esqueça as desculpas que vemos para que não haja conjugação pro "sim". Tentemos.
Eu te abracei e deixei o tempo parar. Então eu me entreguei e não quis exigir. E…

Estamos Aí

Às vezes na vida, mesmo que por 1 minuto ou ao menos 1 dia inteiro nós nos frustramos por estarmos onde estamos. É como se quiséssemos uma evolução maior ou até mais rápida. 
Nos frusta tudo. Começa uma sessão de por quês que não conseguimos explicar. Talvez seja um chamado de mudança, talvez o momento de colocar uma vírgula. Mas não é fácil nos aceitarmos 100%.
É como se aceitando isso estaríamos Ok com os erros cometidos, as decepções encontradas pelo caminho, as traições tão óbvias que nos pegaram desprevenidos. 
Deve ser tão pessoal que ao colocar pra fora faz com que isto se torne mais verdade ainda. 
Podia ser apenas um pesadelo né...é...podia...
Eu entendo...mas não quer dizer que aceite. Quer dizer que...se precisar, estamos aí !