Skip to main content

Da Criatividade à Inovação: Sobrevivendo ao Terceiro Milênio



Coloquei o rabo do macaco no crocodilo e ele fez “quack quack”, e com o insucesso intolerante, um estilo. Sorriso nasceu, vontade cresceu, cultura, viva à cultura.

Nascemos criativos e esta não é a questão, sobrevivemos ao 3º milênio ou fomos engolidos pela razão? Seriedade virou a rotina, nossos bloqueios estão far far away. Cadê a liberação dos vivos? Faz total sentido desbloquear o bloqueio que insiste em permanecer.

No 3º milênio nada se cria tudo se copia e ninguém consegue enxergar. Todo mundo perdeu-se com o mundo, felizes os que se mantem com sua criança interior permitindo-se inovar.

“É preciso olhar o mundo como de fato é, e não como achamos que seja.” É preciso praticar o equilíbrio cerebral. Crie um novo mundo e o mantenha com pés no chão. Crie novas oportunidades e enxergue as simples coisas como são.

Fervem-se os neurônios de ideias. Acabou a abstinência de criar. É time tu go, é time to inovar. Sobrevive ao 3º milênio quem quer, mesmo sem oportunidades, criam-se novos caminhos, criam-se inovações. Basta mudar o ângulo, surgem possíveis soluções. Há a necessidade de resgatar toda a capacidade criativa para sobrevivermos. O choque cerebral vomita vivas reações, enfim sobrevivência, enfim equilíbrio, enfim solução original.

Somos sobreviventes! 


Popular posts from this blog

A Carta

Não consigo saber ainda como eu consegui passar quatro dias sem falar com você. Não dá pra saber ao certo como eu consegui aturar tanto tempo a sua ausência estando tão perto.
Dizem que não dá para entender os homens, que não dá pra entender as mulheres. Aliás, todo mundo fala tanta coisa que eu simplesmente resolvi ficar em silêncio, mudo e calado. Tento apenas ouvir a mim mesmo, quero saber o que eu realmente não entendia, o que eu realmente ainda não entendo.
Em alguns momentos da nossa vida precisamos dar um passo atrás para avançarmos dois. Meu coração quer você, mas minha razão é do contra. Acho que de vez em quando a mente se cansa de tantas desculpas.
Você não é imprevisível, dá pra adivinhar qual será seu próximo passo. Já que tudo começou por uma mensagem, acho interessante finalizar com uma carta, a sua dessa vez.
Não gosto muito de escrever, não tenho aspiração pra isso. Gosto de ler, assistir filmes, viajar para o meu mundo tão desconhecido e inexplorado pelo ser humano. Me p…

Homem Pedra

Então você me abraçou e pediu para parar o tempo. Então você se entregou e não pediu muito. Você agradeceu e não formulou desejos. Você sorriu e disse "eu te amo".
Saberia até colocar ordem nas palavras que automaticamente formam as frases se o meu coração desacelerasse diante dos ocorridos. Eu poderia ser lei em português e formar pra ti as nossas exceções. Mas deixa o tempo parado e me abraça e fica e sorri e me toca. 
Quero te sentir mais tempo, quero te sentir inteiro, quero revogar os medos e quero ignorar as circunstâncias. Desejo o vosso abraço por toda a eternidade, por nossos 5 minutos.
Eu me excitei, e não falando em termos sexuais. Eu me exaltei, me animei, me estimulei, eu me excitei. Será que entende? Será que me faço entender?
Deixa eu gostar de você. Permita-me ensinar você a gostar de mim. Esqueça as desculpas que vemos para que não haja conjugação pro "sim". Tentemos.
Eu te abracei e deixei o tempo parar. Então eu me entreguei e não quis exigir. E…

Estamos Aí

Às vezes na vida, mesmo que por 1 minuto ou ao menos 1 dia inteiro nós nos frustramos por estarmos onde estamos. É como se quiséssemos uma evolução maior ou até mais rápida. 
Nos frusta tudo. Começa uma sessão de por quês que não conseguimos explicar. Talvez seja um chamado de mudança, talvez o momento de colocar uma vírgula. Mas não é fácil nos aceitarmos 100%.
É como se aceitando isso estaríamos Ok com os erros cometidos, as decepções encontradas pelo caminho, as traições tão óbvias que nos pegaram desprevenidos. 
Deve ser tão pessoal que ao colocar pra fora faz com que isto se torne mais verdade ainda. 
Podia ser apenas um pesadelo né...é...podia...
Eu entendo...mas não quer dizer que aceite. Quer dizer que...se precisar, estamos aí !