Skip to main content

Saia da Caixa

Inspirar, criar, inovar, pensar, agir, falar, buscar, avaliar, acreditar, tentar, ler, duvidar, começar, recomeçar, perceber, ver, crer e mais um tanto de coisas que eu nem me lembre no momento, eu tirei da caixa. Uma caixa que para mim pode até ser quadrilateral e que pra você pode ser do tamanho de uma bola de beisebol. Acredite, isso não importa. Apenas saia dela.

Saia como se fosse para um bar, beber, rir e flertar. E no caminho mude algo, vá caminhando pela rua ainda não explorada. E quando encontrar algo ainda não visto, sorria, você mudou alguma coisa no seu dia.

Algumas pessoas possuem o dom de inspirar. Possuem algo indescritível em palavras que faz com que você comece a duvidar das verdades encontradas pelas esquinas. Algumas pessoas possuem um brilho tão intenso que é preciso colocar óculos escuros para apreciá-las. É um infinito de conhecimento, é um questionamento nunca perguntado, é um prazer em ensinar, é uma paixão em aprender.

Poderia até ter tido a oportunidade de chegar na sala de aula com o dom da voz vomitando conteúdo ao qual não interessa a ninguém. Poderia até imaginar que o silêncio seria um precioso presente para quem trabalha e procura. Só que não. A exceção existe, e ela se chama Ana Lucia Campos Pita.

Há alguns professores que permanecem na vida dos alunos mesmo quando as aulas acabam, e isso deve ser visto como um fator muito positivo. Pita (que é como eu a chamo) me fez querer algo, quebrar bloqueios, acreditar no olhar puro e duvidar de verdades absolutas. Ela tirou mais que o meu sono, me deu de presente a minha idéia especial. Me fez rir durante a madrugada com os amigos ao mesmo tempo em que eu lia textos sobre criatividade e inovação.

A Pita me fez querer mais, por que ela esparava mais. Me fez escrever um texto sobre todas suas aulas em cinco minutos, mesmo com o pré-julgamento dos próprios membros do grupo. Me fez acreditar na idéia, me fez transformá-la em realidade, me fez vendê-la e aceitou comprá-la.

Esta qualidade de ser e ensinar da Pita é tão complexa e tão rara que devem existir professores que dariam todas suas sabedorias para ter um pouquinho dela.

Pita, obrigado, obrigado e obrigado!
Por me ensinar, por me questionar e por não esperar menos do que o melhor de mim.

Ana Lucia Campos Pita é Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUCSP, pós-graduada em Semiótica da Marca pela ECA, pós-graduada em Língua Portuguesa pela PUCSP, pós-graduada em Estudos Portugueses pela Universidade de Lisboa e graduada em Letras pela PUCSP, Foi minha professora de Criatividade e Inovação pela BSP.

Popular posts from this blog

A Carta

Não consigo saber ainda como eu consegui passar quatro dias sem falar com você. Não dá pra saber ao certo como eu consegui aturar tanto tempo a sua ausência estando tão perto.
Dizem que não dá para entender os homens, que não dá pra entender as mulheres. Aliás, todo mundo fala tanta coisa que eu simplesmente resolvi ficar em silêncio, mudo e calado. Tento apenas ouvir a mim mesmo, quero saber o que eu realmente não entendia, o que eu realmente ainda não entendo.
Em alguns momentos da nossa vida precisamos dar um passo atrás para avançarmos dois. Meu coração quer você, mas minha razão é do contra. Acho que de vez em quando a mente se cansa de tantas desculpas.
Você não é imprevisível, dá pra adivinhar qual será seu próximo passo. Já que tudo começou por uma mensagem, acho interessante finalizar com uma carta, a sua dessa vez.
Não gosto muito de escrever, não tenho aspiração pra isso. Gosto de ler, assistir filmes, viajar para o meu mundo tão desconhecido e inexplorado pelo ser humano. Me p…

Homem Pedra

Então você me abraçou e pediu para parar o tempo. Então você se entregou e não pediu muito. Você agradeceu e não formulou desejos. Você sorriu e disse "eu te amo".
Saberia até colocar ordem nas palavras que automaticamente formam as frases se o meu coração desacelerasse diante dos ocorridos. Eu poderia ser lei em português e formar pra ti as nossas exceções. Mas deixa o tempo parado e me abraça e fica e sorri e me toca. 
Quero te sentir mais tempo, quero te sentir inteiro, quero revogar os medos e quero ignorar as circunstâncias. Desejo o vosso abraço por toda a eternidade, por nossos 5 minutos.
Eu me excitei, e não falando em termos sexuais. Eu me exaltei, me animei, me estimulei, eu me excitei. Será que entende? Será que me faço entender?
Deixa eu gostar de você. Permita-me ensinar você a gostar de mim. Esqueça as desculpas que vemos para que não haja conjugação pro "sim". Tentemos.
Eu te abracei e deixei o tempo parar. Então eu me entreguei e não quis exigir. E…

Estamos Aí

Às vezes na vida, mesmo que por 1 minuto ou ao menos 1 dia inteiro nós nos frustramos por estarmos onde estamos. É como se quiséssemos uma evolução maior ou até mais rápida. 
Nos frusta tudo. Começa uma sessão de por quês que não conseguimos explicar. Talvez seja um chamado de mudança, talvez o momento de colocar uma vírgula. Mas não é fácil nos aceitarmos 100%.
É como se aceitando isso estaríamos Ok com os erros cometidos, as decepções encontradas pelo caminho, as traições tão óbvias que nos pegaram desprevenidos. 
Deve ser tão pessoal que ao colocar pra fora faz com que isto se torne mais verdade ainda. 
Podia ser apenas um pesadelo né...é...podia...
Eu entendo...mas não quer dizer que aceite. Quer dizer que...se precisar, estamos aí !