Skip to main content

Transporte Público como Falha Operacional

E eu tenho este questionamento que permanece a me perturbar todas as segundas-feiras:

Se o ano possui essa grande quantidade de segundas como pode o transporte publico em São Paulo ser uma desorganização todo começo de semana?

Se a organização do mesmo demora até chegar sexta quer dizer que com a chegada do lazy weekend eles desaprendem o que aprenderam desde então?

Se as pessoas a quem destina-se os transportes públicos possui uma vida incerta por conta de uma falha organizacional é correto afirmar que existe um problema operacional?

Se os transportes privados possuem uma exata atuação mesmo ao lado dos projetos públicos é errado afirmar que existe consideração?

Se todas as pessoas que passam por este problema tivessem a consciência ao votar em alguém é possível dizer que poderíamos ter resolvido esta situação?

Dizem que ninguém pode fazer nada sozinho, mas dizem também que todo oceano começa com uma gota.

#ficaadica

Comments

Popular posts from this blog

Não sinto dó(r)

Será que se gritarmos bem alto alguém ouvirá?

Será que quando gritamos bem alto, nossa voz ecoa pelo mundo como um pedido de socorro?

Às vezes tento não me desesperar pelas circunstâncias em que me encontro, ou mesmo escolhi me deparar (talvez inconscientemente)...eu não sinto dó de mim.

Eu tento fazer a pose e parecer confiante sobre os dias cinzentos e chuvosos que a escola da vida me faz vivenciar. Mas parece que só de raiva eu sorrio e rio de mim mesmo...sem pena, sem dor.

Seria possível que as palavras me levem a um lugar melhor? É importante sonhar...é importante se reestabelecer.

Vi hoje na TV, nesses programas de transformação, um cara que dizia-se estar "confortável nas sombras de si mesmo"e o quanto foi libertador abrir-se novamente ao mundo. Às vezes parece que quando temos um problema, só aquilo existe e todo o resto não faz sentido algum. Olha eu sendo totalmente contraditório. Não estava eu rindo de mim? Acho que deve ser de nervoso então.

As nossas escolhas no…

Baby Steps

Já faz um tempo que eu parei de escrever e eu nem sei o por que!?
Talvez o meu cérebro processe a informação de uma maneira diferente, mas o que eu realmente acho é que a cada dia, a cada segundo que passou desde a ultima vez que me dei a oportunidade de redigir algumas palavras, eu desisti de mim.
Não é fácil enfrentar um fato que desconstrói tudo que eu quis construir, mas fingir que algo não acontece deve ser bem pior não? Não sei, mas também não me importo. Afinal, começo a redigir algumas palavras novamente e elas me fazem sorrir =D
Eu acredito que há tempo pra tudo, e talvez haja tempo pra eu voltar pra mim mesmo. 
Sabe aquilo que dizem? Sobre iniciar algo? "Vá lá, faça! Não precisa ser bom, apenas precisa ser seu." 
Estas palavras são minhas, e mesmo não tendo significa algum, pra você, elas me fazem bem.
Talvez pra ti seja um texto de merda, mas pra mim é um passo de volta para eu mesmo!
"Baby steps", não é mesmo?

Estamos Aí

Às vezes na vida, mesmo que por 1 minuto ou ao menos 1 dia inteiro nós nos frustramos por estarmos onde estamos. É como se quiséssemos uma evolução maior ou até mais rápida. 
Nos frusta tudo. Começa uma sessão de por quês que não conseguimos explicar. Talvez seja um chamado de mudança, talvez o momento de colocar uma vírgula. Mas não é fácil nos aceitarmos 100%.
É como se aceitando isso estaríamos Ok com os erros cometidos, as decepções encontradas pelo caminho, as traições tão óbvias que nos pegaram desprevenidos. 
Deve ser tão pessoal que ao colocar pra fora faz com que isto se torne mais verdade ainda. 
Podia ser apenas um pesadelo né...é...podia...
Eu entendo...mas não quer dizer que aceite. Quer dizer que...se precisar, estamos aí !